Magazine Luiza faz ajuste de R$ 830 mi no PL para corrigir erros contábeis; EBITDA cai.

Giuliana Napolitano

O Magazine Luiza divulgou hoje as conclusões da investigação da denúncia anônima sobre as práticas contábeis da companhia. A empresa recebeu a denúncia em março, pouco depois da descoberta da fraude na Americanas. A conclusão da investigação – feita sob a supervisão do Comitê de Auditoria e Compliance da empresa, do TozziniFreire Advogados e da PwC – foi de que houve erros nos lançamentos contábeis de alguns contratos com fornecedores entre janeiro de 2022 e junho de 2023. Valores referentes a campanhas de vendas que deveriam ter sido lançados nos balanços somente depois do término dessas campanhas foram contabilizados antes disso. “Em alguns casos, a companhia reconhecia as receitas antes de cumprir o que havia sido acordado”, o CFO Roberto Bellissimo disse ao Brazil Journal. “Mas a conclusão foi a de que houve boa-fé da administração e não houve violação do código de ética da empresa.” A companhia precisou corrigir esses lançamentos e reapresentar os balanços de janeiro de 2022 a junho de 2023. Houve diferenças nos custos dos produtos vendidos e no EBITDA. Os custos de fato foram maiores em 2022 e menores neste ano. Com o EBITDA, aconteceu o contrário: os valores reapresentados são menores em 2022 e maiores neste ano. Isso porque o reconhecimento das receitas ocorreu antes do que deveria. O “novo” EBITDA de 2022 é de R$ 1,6 bilhão de reais, 18% inferior ao informado originalmente (uma diferença de R$ 342 milhões). O EBITDA de 2023 até junho ficou em R$ 748 milhões, R$ 140 milhões acima do valor que havia sido reportado. “Agora o mercado vai fazer conta para entender qual será o impacto desse ajuste nas principais métricas da empresa”, diz um gestor. Num fato relevante, o Magalu disse que fez um ajuste total de R$ 830 milhões no patrimônio líquido ao final de junho. O valor corresponde a 3% do PL da empresa. “O valor surpreendeu. Não imaginava que fosse ter essa magnitude,” diz um analista do buy side. Segundo Bellissimo, a empresa adotou medidas para aprimorar controles internos e evitar problemas semelhantes no futuro – como um sistema automatizado de gestão desse tipo de verba. “O objetivo é mitigar riscos, melhorar a gestão e a governança”, disse o CFO. A empresa também informou que reconheceu créditos fiscais de PIS/COFINS sobre as bonificações recebidas de fornecedores em períodos anteriores a 2022 no valor de cerca de R$507 milhões, líquidos de impostos. “Tais créditos se basearam em recente decisão do STJ e na opinião de seus assessores legais”, diz o fato relevante. Esse crédito foi incluído no balanço do terceiro trimestre. Com isso, o impacto total no patrimônio líquido foi de R$322 milhões.

Leia mais em https://braziljournal.com/magazine-luiza-faz-ajuste-de-r-830-mi-no-pl-para-corrigir-erros-contabeis/ .

Veja outras notícias